G N’ R Lies: Guns N’ Roses entre o passado e o futuro

g n' r lies - guns n' roses

Capa de G N’ Lies. Imagem: reprodução.

Em 29 de novembro de 1988, pelo selo Geffen, o Guns N’ Roses lançou seu segundo álbum de estúdio: G N’ R Lies. Um trabalho que reaproveitou gravações anteriores e as uniu a novidades acústicas, criando um resultado final bastante único na discografia da banda. Continuar lendo

Noel Gallagher’s High Flying Birds: a estreia solo de Noel Gallagher que podia ser a continuação do Oasis

noel gallagher's high flying birds - album 2011

Capa de “Noel Gallagher’s High Flying Birds”. Imagem: reprodução.

Como seria o passo seguinte do Oasis, caso Noel Gallagher não tivesse saído e o grupo permanecesse ativo pós-2009?

A resposta parece estar em Noel Gallagher’s High Flying Birds, estreia auto-intitulada do cantor como artista principal, lançada pela Sour Mash Records em 17 de outubro de 2011. Continuar lendo

Achtung Baby: a imponente e complexa reinvenção do U2

achtung baby - u2

Achtung Baby é um dos melhores e mais importantes álbuns do U2. Representou enorme mudança estética e de discurso para a banda, que passou a brincar mais com a própria imagem e a se divertir com os clichês associados ao estrelato. Foi com o disco lançado em 18 de novembro de 1991 que o conjunto capitaneado por Bono e The Edge ganhou um de seus mais celebrados hits, “One”, e transformou-se no gigante capaz de elaborar turnês majestosas e inesquecíveis. Continuar lendo

Beatles fora dos Beatles: Wonderwall Music (George Harrison)

wonderwall music - george harrison

Capa do álbum “Wonderwall Music”. Imagem: reprodução.

Em 1º de novembro de 1968, George Harrison entrou para a história como o primeiro membro dos Beatles a lançar um álbum solo: Wonderwall Music. No disco experimental, que também foi o primeiro lançado pelo selo Apple, o músico sedimentou seu interesse pela Índia e fundiu Ocidente e Oriente, temperando o material ao gosto da psicodelia Swingin’ London da época. Continuar lendo

Jack Johnson: o mais “rock” dos discos de jazz fusion de Miles Davis

jack johnson - miles davis 1971

Capa original de “Jack Johnson”. Futuras edições a trocariam por uma foto de Miles tocando à frente de um fundo preto – arte que o trompetista pretendia usar, a princípio, e preferia. (Imagem: reprodução).

Em 24 de fevereiro de 1971, Miles Davis lançou Jack Johnson, também conhecido como A Tribute to Jack Johnson em edições futuras. O álbum, pertencente à fase jazz fusion do trompetista, deixou de lado a iconoclastia do LP anterior de estúdio de seu criador, o influente Bitches Brew, em favor de um som bem mais próximo do rock convencional da época. Continuar lendo

Grandes álbuns da humanidade brasileira: Voltei (Maysa)

maysa - voltei

Capa de “Voltei”. Imagem: reprodução.

Maysa foi uma das cantoras brasileiras que mais se adequou à era do samba-canção. Sua voz poderosa e lamuriosa ao mesmo tempo caía como uma luva neste estilo, tão afeito às dores de cotovelo e aos amores perdidos. Mas, depois de um mês no hospital, ela estava disposta a ir além da lamentação típica. Com temperos de bossa nova, gravou e lançou em 1960 um de seus álbuns mais interessantes: Voltei. Continuar lendo

El Camino: o auge criativo de um Black Keys que “chegou lá”

the black keys - el caminoEm 6 de dezembro de 2011, o Black Keys lançou El Camino, o álbum que os tornou grandes, capazes de virar atração principal em shows e festivais – incluindo o Lollapalooza Brasil de 2013. Um álbum digno de agradar público e crítica, ganhador de certificação de platina (vendas acima da casa do milhão) nos EUA e do Grammy de Melhor Álbum de Rock, em 2013. Continuar lendo

Shows porretas: Nirvana no Palaghiaccio di Marino (Marino, Itália, 1994)

O fã de Nirvana provavelmente tem uma relação difícil com o ano de 1994. Afinal, foi o período em que o estado mental de Kurt Cobain piorou a ponto de fazê-lo cometer suicídio (ideia que já permeava sua cabeça havia tempos), encerrando assim o curto, porém intenso, período de atividade da maior banda associada ao movimento grunge.

Apesar da fragilidade mental, e também física de seu líder (o modo agressivo como Kurt cantava e o descuido com sua saúde deram-lhe problemas na garganta durante a última turnê do conjunto), coube justo a um show da fatídica temporada 94 a primazia de ser um dos melhores da carreira dos caras. Continuar lendo

Deixa Vir do Coração: Melim desperta sua essência em álbum de covers de Djavan

A produção pop e a vibe “fácil” das composições costumeiras escondem a capacidade do Melim. Que o trio de irmãos sabe cantar, tem apelo e harmoniza bem, qualquer um logo nota. Mas faltava um veículo realmente capaz de captar essência estética no trabalho deles.

Faltava. Porque, em Deixa Vir do Coração, a banda encontrou esse veículo: simplicidade e frescor. Continuar lendo

The Howlin’ Wolf Album: blues, psicodelia e a capa de disco mais sincera da história da música

the howlin' wolf album

Capa de “The Howlin’ Wolf Album”. Imagem: reprodução.

A psicodelia entrou na moda na segunda metade da década de 1960, e o blues não podia ficar de fora dela.

A gravadora Chess estimulou seus artistas a repaginarem o repertório usando guitarras distorcidas, sons hipnóticos e todo aquele clima lisérgico que fazia a cabeça da juventude.

Graças a tal abordagem, Muddy Waters lançou o influente disco Electric Mud. E também graças a ela, outro blueseiro de peso disponibilizaria um álbum bastante peculiar, em 1969: Howlin’ Wolf. Continuar lendo