Electric Mud – o blues de Muddy Waters com requintes de psicodelia

Muddy Waters - March 17th, 1977Junte uma voz poderosa e blueseira com uma banda de apoio trabalhada no fuzzbox e no wah-wah. Se você for Muddy Waters, a receita não tem como dar errado. Prova disso é o álbum Electric Mud, que pouco satisfez seu criador, mas influenciou gerações e estilos musicais com sua psicodelia eclética e iconoclástica.

Lançado em outubro de 1968, o trabalho tinha a intenção de reanimar a carreira do guri, aproveitando o embalo mucho loco do final dos anos 1960.

Marshall Chess, produtor de Muddy, foi quem idealizou a parada. Achando que o pupilo precisava se adequar à sonoridade da época, indicou-lhe o conjunto de jazz fusion Rotary Connection (chegadinho numa pira barulhenta e experimental) como supporting group. Sugestão aceita.

A influência das grandes bandas do momento é notória. No registro, há cover dos Rolling Stones (Let’s spend the night together) munido de riff à lá Sunshine of your love, do Cream. Noutra canção, She’s alright, o encerramento possui trechos de My Girl, sucesso dos Temptations. Mannish Boy, repaginada, apresenta requintes de funk.

Os puristas do blues não curtiram nem um pouco. Ficaram inconformados com os sons “sem alma” indo de um lado ao outro do estéreo. O próprio Muddy pensou ter ido longe demais, comparando o barulho de seu instrumento a um miado de gato.

Apesar disso, Electric Mud foi o primeiro disco do rapaz a entrar na lista da Billboard, em 127º lugar. Feito de respeito.

220px-Electric_MudImportância

Muita gente adorou o LP. O Led Zeppelin, por exemplo, baseou-se na sonoridade do álbum pra desenvolver o riff de Black Dog (Led Zeppelin IV – 1971). Jimi Hendrix, por sua vez, costumava ouvir Herbert Harper’s Free Press News pra se inspirar.

Quem também entornou o caldo blues-psicodélico foi o hip hop. Chuck D, membro do Public Enemy, cita-o como uma das influências de sua música, enquanto o grupo Cypress Hill sampleou Tom Cat  na faixa Ultraviolet Dreams (Cypress Hill – 1991).

Mais recentemente, na elaboração de Brothers (2010), a dupla do Black Keys inspirou-se fortemente em She’s Alright pra criar She’s long gone.

Pra quem quiser conferir o meninão renegado por Muddy Waters e amado mundo afora, abaixo vão link e tracklist:

1- I just want to make love to you (Willie Dixon)
2- I’m your hoochie coochie man (Willie Dixon)
3- Let’s spend the night together (Mick Jagger / Keith Richards)
4- She’s alright (Morganfield)
5- Mannish boy (Morganfield)
6- Herbert Harper’s Free Press News (Sidney Barnes / Robert Thurston)
7- Tom cat (Charles Williams)
8- The same thing (William Dixon)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s