Contos e afins => Não esqueça de ninguém (quando andar por aí)

8

(Crédito: Guilherme Mattar)

Um pedinte no farol
Dois sinais de contramão
Três querendo atravessar
Quatro folhas da manhã
Cinco ventos cortam mais

Não esqueça de ninguém

Seis sentidos por aí
Sete nuvens negras vêm
Oito chuvas vão cair

Não esqueça pois ninguém
Te esquece por aqui

Nove dias, novidades
Dez cabeças sem razão
Onze cantam na esquina
Doze sons de dor e fim
Treze de Maio já foi
Catorze passos pelo chão

Não esqueça de ninguém

Quinze choram pela vida
Dezesseis viram o olhar

Não esqueça pois ninguém
Te esquece por aqui

Dezessete contas pra pagar
Dezoito vezes no cartão
Dezenove armas no papel
Vinte cobram nada a fazer
Vinte e um versos é demais

Não esqueça de ninguém

Vinte e dois é perdição
Vinte e três, ano passado
Vinte e quatro, acabou

Não esqueça pois ninguém
Te esquece por aqui

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s