Brasileirão de 1998: a campanha mais legal do passado recente do Coritiba

coritiba 1998Em 1998, o Coritiba realizou uma grande campanha no Campeonato Brasileiro, chegando aos playoffs.

Aquele Coxa, treinado primeiro por Valdir Espinosa, e adiante por Darío Pereyra, era repleto de jogadores rodados, com passagens por grandes clubes, e talentosos. A começar pelo goleiro, Régis, que fizera fama no Paraná Clube.

Gélson Baresi Célio Lúcio na zaga, Sandoval, BrandãoStruway e João Santos na meiúca, Macedo, Cleber e Sinval no ataque… Eis alguns dos nomes experientes recheando o plantel. Havia pratas da casa e jovens, também. Reginaldo Araújo Rubens Júnior (lateral), Flávio (zagueiro) e Reginaldo Nascimento (volância) são alguns exemplos.

O diferencial destes caras era justo o grande defeito dos Verdões atuais: pontuar longe do Couto Pereira. Na fase inicial, venceram sete dos 12 compromissos fora. Alguns resultados foram expressivos, tais o 1×1 diante do Grêmio no Olímpico (Régis pegou pênalti), o 2×1 aplicado no Palmeiras de Alex e o 3×0 sobre o Vitória em pleno Barradão.

No Alto da Glória, o grande brilho rolou em 18 de outubro. Abarrotado de gente nas arquibancadas – 51.407 espectadores, segundo matéria da Tribuna publicada em 2013 – e dotado das saudosas listras circulares no gramado, o Majorzão foi palco de um 2×1 muito celebrado em cima do São Paulo.

Nem o penal desperdiçado tirou o brilho daquela ensolarada tarde de domingo.

O Cori terminou o turno em terceiro lugar, atrás do futuro campeão Corinthians e do Palmeiras. Ao todo, 11 vitórias, nove empates e apenas três derrotas (menor número dentre todos os participantes do Brasileirão).

Aí veio o mata-mata e a Portuguesa freou a trajetória verde e branca em três atos:

  1. Lusa 3×1 no Canindé – 15/11;
  2. 0x0 no Couto – 22/11;
  3. 2×2 novamente no Couto (o Coxa ganhava por 2×0, placar que o classificava às semifinais, até os 39 do segundo tempo) – 25/11.

O sexto posto na classificação final do certame permanece uma das melhores campanhas coxas-brancas recentes em Campeonatos Brasileiros. Só perde para o quinto lugar de 2003, que levou o Coritiba à Libertadores pela segunda e última vez.

[TIME-BASE DO CORITIBA: Régis, Márcio Goiano (Reginaldo Araújo), Gélson Baresi, Flávio e Rubens Júnior; Struway, Luiz Carlos (Claudinho), João Santos e Sandoval (Brandão); Macedo e Cleber].

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s