Camarões, 1990 => A melhor seleção africana de todos os tempos na pior Copa do Mundo da história

camarões copa 1990A Copa de 1990 maltratou a retina da comunidade boleira. Até gerações talentosas como Holanda e Argentina praticaram um futebol pobre, envolto num mar modorrento e defensivo.

Tirando a campeã Alemanha, de fato a melhor do mundial, apenas uma equipe alegrou o fã do esporte bretão, jogando de forma alegre e descompromissada: Camarões.

Liderados pelo veterano Roger Milla, os Leões Indomáveis deixaram favoritos pra trás e se tornaram os primeiros africanos a chegarem às quartas de final.

camarões copa 1990 2Que eles sabiam bater bola ninguém negava. Oito anos antes, em 1982, caíram fora da Copa de maneira invicta, ficando a um golzinho de eliminar a Itália em plena fase inicial.

Mas era difícil imaginá-los no mata-mata. Postos no Grupo B, duelariam com a defensora do título Argentina, a Romênia (cuja base atuava no finalista da Champions League de 1988-89, Steaua Bucuresti) e a vice da Eurocopa de 1988, União Soviética. Dureza.

Pois bastou o certame italiano começar pra figura mudar de coisa. Em 8 de junho, no San Siro, o planeta viu Nery Pumpido engolir aquele frango gostoso de Omam-Biyik aos 22 do 2º tempo e a Albiceleste ser derrotada por 1×0.

Zebra isolada? Nada. Seis rotações adiante, os comandados de Valeri Nepomniachi sapecaram a Romênia e triunfaram por 2×1. Roger Milla, que só foi ao mundial porque o presidente camaronês pediu (já tinha se aposentado da seleça), fez os dois.

camarões copa 1990 3Garantidos antecipadamente na liderança da chave, os Leões puxaram o freio de mão na terceira rodada.

Arbitrados pelo brasileiro José Roberto Wright, terminaram a etapa de grupos tomando goleada impiedosa dos soviéticos: 4×0.

Alegria e tristeza

O playoff reservou emoções distintas aos verdes, vermelhos e amarelos.

Nas felizes oitavas, Milla se solidificou como a grande figura da competição. Entrando somente no tempo complementar (algo habitual), o heroi de 38 anos abotoou duas vezes a Colômbia, dando a vitória a seu país, na prorrogação, por 2×1.

E pensar que o goleiro Higuita achou uma boa tentar driblar o camisa 9…

Nas quartas, o balde de água fria. Diante da Inglaterra do artilheiro Lineker e do craque autodestrutivo Gascoigne, a surpresa africana teve a faca e o queijo na mão. Saiu perdendo em Nápoles, virou no 2º tempo com Kundé e Ekéké e dominou as ações. Até que a falta de tranquilidade ferrou tudo.

camarões copa 1990 4A sete minutos do fim, Massing solou Lineker dentro da área, e o inglês empatou a bodega de pênalti. Prorrogação à vista.

Física e mentalmente melhor, Camarões seguiu rondando a meta alheia, mas ofereceu contragolpes ao English Team. Num deles, puxado por Gazza aos 105, Lineker ganhou da marcação na velocidade, adentrou os domínios do arqueiro N’kono e acabou derrubado. O próprio bateu, fechou o placar em 3×2 e conduziu os britânicos às semifinais.

As dancinhas de Milla na bandeirinha de escanteio reverberaram na mente da FIFA, que o botou no ataque do All-Star Team do torneio ao lado de Schillaci e Klinsmann.

PS => Desde 90, só duas seleções africanas igualaram o feito camaronês e alcançaram as quartas numa Copa: Senegal (2002) e Gana (2010).

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s