Contos e afins => Corrupção

pão duroJaiminho, o breve, cansou da vida acadêmica e abriu seu próprio negócio. Uma panificadora diferente, cujo pão – verdade seja dita – era tenebroso. A rosquinha, em compensação, sensacional.

Correu dois meses até a paciência do pequeno Jaime torrar. Nem o fuziê das cercanias, ou o perfume das fornadas invadindo ruas vizinhas foi capaz de animar os transeuntes a adentrarem a padoca.

Sem dinheiro pra reforma, Jaiminho resolveu mudar de ramo mantendo o layout do estabelecimento. Estratégia que aumentou em 534% seu movimento, veja só.

Sua orelha, contudo, jamais voltou ao normal. Vermelha tal pimenta malagueta envergonhada, ela agora é permanentemente alugada por pessoas iradas com o barulho das brocas e serras da loja de ferramentas “Pão Duro”.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s