Contos e afins => Conselho de bom amigo

conselho de bom amigoLá fora a vida corre tanto que eu nem sei como cê güenta. Aqui dentro, sem vergonha confesso, é tudo bem arrastado. Vagaroso. Ninguém esquenta.

Às vezes me constranjo e sinto que não faço – compro feito, por preguiça. Mas aí os ombros dão e ressaltam a solução: “tá tudo certo, mano. É assim mesmo que se faz justiça”.

Por essas e outras digo, miga:

Senta aqui. Larga mão de toda essa raiva.

Senta aqui. Esquece o que te cansa.

Senta aqui. Larga mão de todo esse nada.

Senta aqui. Abre o peito e deixa que a poesia hora ou outra te alcança.

Sei que nessas horas o que atrai é o convexo. Entretanto enalteço – dentro de toda e qualquer dúvida côncava, há responder complexo.

Talvez cê se sinta mais à vontade num divã certificado, de analista. Aí é contigo, fia, faça o que melhor agrada: florais de Bach ou alopatia.

Se bem que… Quer um conselho?

Senta aqui. Relaxa a musculatura.

Senta aqui. Observa o som da tarde dura.

Senta aqui. Releva o que não se encaixa.

Senta aqui. Cê não precisa procurar sentido no que todo mundo acha.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s