Pink Moon (1972) => Nick Drake dispensa banda de apoio e lança o melhor álbum da história do folk

nick drake pink moonNick Drake parecia seguir passos rumo à grandiloquência composicional. Seus arranjos calhavam cada vez mais sofisticados e polidos ao passar do tempo, flertando com o jazz. Mas, no fundo no fundo, não era isso que ele queria.

O britânico preferia simplificar. Continuar lendo

Anúncios

1001 grandes álbuns desse mundão (parte 8)

arctic monkeys straighten the rudderHabemus parte nova da listona!

Hell yea!

Desta vez sem representantes nacionais – eventualidade mesmo, nada planejado.

Pois bem. Além de lançamentos oficiais, tomei a liberdade de incluir também um famoso bootleg do Arctic Monkeys: Straighten the Rudder, acústico e repleto de material incrível. Continuar lendo

Grandes álbuns da humanidade brasileira => Hey Na Na (Os Paralamas do Sucesso, 1998)

paralamas do sucesso hey na naA crise fonográfica ficava pra trás no Brasil. A década de 90 avançava e, com ela, o BRock se recuperava da baixa, buscando coexistir entre pagode e sertanejo.

Neste contexto, Os Paralamas do Sucesso viviam situação engraçada. Seus discos de estúdio recentes vendiam pouquíssimo, mas os shows lotavam. Sem falar no sucesso internacional que a banda passou a desfrutar, sobretudo na Argentina. Continuar lendo

Grandes álbuns da humanidade brasileira => Quebra-Cabeça (Gabriel O Pensador, 1997)

quebra cabeça gabriel o pensadorPouca gente no Brasil foi maior do que Gabriel O Pensador em 1997. Vindo de trabalhos consistentes e críticos, o rapper carioca deu o pulo do gato com Quebra-Cabeça, emplacando hits nas rádios nacionais e vendendo muitíssimo bem. Continuar lendo

1001 grandes álbuns desse mundão (parte 7)

in the court of the crimson kingAvançar na lista faz lembrar da boa vibe que álbuns legais são capazes de nos proporcionar. Olha… Já passei literalmente dias ouvindo e ouvindo e ouvindo elementos desta seção.

Certos exemplos revivem rapidamente na memória. Continuar lendo

Frejat em Curitiba => Show voz e violão mostra grandes músicas escondidas na discografia do Barão Vermelho

frejat voz e violão

(Foto: Gledson Laurek)

É sempre bom quando pesos pesados fazem coisas diferentes. Em sua atual turnê, Roberto Frejat diminui os hits ao essencial e prioriza canções/colaborações que não costuma tocar com frequência.

Na noite de sábado, 2 de setembro, o público de Curitiba/PR pôde conferir isso de perto, no auditório do Teatro Positivo. Tudo num viés minimalista, voz e violão, enaltecendo o gogó privilegiado do rapaz de cabelo enrolado. E dando chance da madura plateia (forrada de casais) relembrar o quão rica é a discografia do Barão Vermelho. Continuar lendo

Guilherme Mattar => Clipe de “Outra Vez”, no palco do Teatro Positivo

clipe outra vez (2)

(Crédito: Newmar Peres)

Faltava um videozinho pra encerrar o ciclo Positivando. Não falta mais.

Gravado no Teatro Positivo (Curitiba/PR), o clipe de Outra Vez é o último a sair do meu primeiro EP solo, lançado em janeiro deste ano. Continuar lendo

Risk (1999) => Megadeth toma guinada alternativa e lança disco mais polêmico da carreira

megadeth riskComo você reage quando uma banda legal sai da zona de conforto e tenta algo novo? Curte a ousadia? Ou xinga muito no twitter?

Em agosto de 1999, o Megadeth aprontou dessas mudanças de direção e surpreendeu a comunidade headbanger. Com o álbum Risk, o grupo norte-americano caiu na onda do rock alternativo e causou bastante controvérsia entre os fãs tradicionais. Continuar lendo

Wild Wood (1993) => Num mundo dominado por grunge e britpop, Paul Weller reaparece com disco marcante e cheio de soul

paul weller wild woodCamisas de flanela, vocais gritados e distorções despolidas imperavam de um lado do Atlântico. Do outro, uma série de bandas saudosas do glam e pop/rock sessentista começava a brotar, produzindo com esmero e fortes referências culturais.

No meio disso tudo ressurgiu Paul Weller. Amalgamando rock, soul e folk num espírito relaxado, o Modfather seguiu a toada do primeiro disco solo (Paul Weller, 1992) e ganhou confiança no sucessor Wild Wood, voltando à proeminência enquanto singer-songwriter na Grã-Bretanha. Continuar lendo