Dando Tratos à Bola: O livro que todo brasileiro precisa ler

dando tratos à bolaCada vez mais acadêmicos voltam-se a estudar a relação entre futebol e sociedade. Não é para menos: a publicação de artigos, textos e livros discutindo o tema vem abrindo a cabeça de muita gente e desmistificando a noção de que o esporte serviria apenas para entreter o público.

Um dos responsáveis por esta mudança de percepção é Hilário Franco Júnior. Ao elaborar A Dança dos Deuses em 2007, o historiador mostrou como a prática deve ser entendida como um fenômeno cultural total, integrado e responsivo ao que ocorre fora do campo. E, com Dando Tratos à Bola: ensaios sobre futebol, tal ideia sedimenta-se de maneira ainda mais forte. Continuar lendo

O Apanhador no Campo de Centeio: inquietação adolescente no pelotão de frente

Livro seminal de J.D. Salinger serve de documento à época em que o adolescente passou a ser visto como público-alvo na sociedade pós-Segunda Guerra

o apanhador no campo de centeio j d salinger

Os Estados Unidos emergiram da Segunda Guerra Mundial como o modelo a ser seguido entre os países capitalistas. Fortalecida política e economicamente, a nação entrou num período de prosperidade no qual um novo grupo demográfico pairou de vez na mira da indústria do entretenimento: o adolescente. Filmes como Juventude Transviada, estrelado por James Dean, e ritmos musicais como o rock n’ roll viram nos teens, agora com poder aquisitivo, um público-alvo perfeito. Continuar lendo

Atletiba – A paixão das multidões => A pedra fundamental da maior rivalidade paranaense, com ares de café da Boca Maldita

foto 1Pense nos cafés da Europa Central. Século XX, pré-estouro totalitário. Boleiros resenhando horas e horas, debatendo e defendendo o estilo fluido, cheio de passes, praticamente uma valsa, com que o Wunderteam da Áustria do craque Sindelar atuava e encantava.

Transponha este clima à Boca Maldita e pronto: tem-se Atletiba – A paixão das multidões. Uma obra que, celebrando os então 70 anos do maior clássico do futebol paranaense, remete a românticos tempos nos quais o profissionalismo andava a passos bastante, bastante diferentes dos que nos habituamos a vivenciar hoje em dia. Continuar lendo

Ozzy Osbourne: O Madman sensato (e hilário)

ozielComo você se sentiria sendo aconselhado por um cidadão que abusou do álcool e das drogas por 40 anos? Provavelmente não o levaria muito a sério, presumo. Mas e se as palavras do citadino fossem estranhamente sensatas e até fizessem sentido? Pois é isso que o leitor de Confie em Mim, eu sou o Dr. Ozzy vai encontrar: uma inesperada e divertida sabedoria calcada na (sobre)vivência. Continuar lendo