1001 grandes álbuns desse mundão (parte 36)

a procura da batida perfeita - marcelo d2 2003Fevereiro de 2020 está aí na nossa área, correndo solto mais uma semana, mui livre e levre, trazendo consigo a parte 36 dos 1001 grandes álbuns desse mundão.

Esta parte, especificamente, é uma das mais interessantes que compartilho, porque tem vários nomes que ainda não haviam pintado na empreitada, até agora. Sem falar no caráter multifacetado do próprio segmento, que agrega valores do soul, do fusion, do rock setentista, do blues-rock, do jazz, brasilidades distintas, thrash, americana, enfim. Se eu fosse ficar citando todos os gêneros e sub-gêneros, provavelmente ia ficar mais uns bons minutos montando este parágrafo – que já está grande assim, do jeito que terminá-lo-ei. Continuar lendo

1001 grandes álbuns desse mundão (parte 35)

all things must pass george harrison 1970Antes de mais nada: feliz ano novo! Pulou suas ondinhas? Guardou as sementes das uvas na carteira? Usou branco (ou qual for sua cor da sorte) na virada? Pois 2020 já está entre nóiz \o/

E em 2020 a lista alcança o patamar 700! Setecentos discos… Ainda tem chão, mas o fim começa a ficar mais claro. Continuar lendo

1001 grandes álbuns desse mundão (parte 34)

que país é este 1978 1987_legião urbanaChegamos a dezembro de 2019… Dá pra acreditar? Há não muito atrás, parecia que a Copa do Mundo do Brasil e as Olimpíadas do Rio eram coisas absurdamente distantes no horizonte. Agora os Jogos de Tóquio se aproximam. Tóquio! Dois mil e 20! O tempo corre rápido demais…

Eis então a última parte da lista mil-e-úmica do ano. Aproxima-se o marco 700 da empreitada. Mas… Isso é conversa pra 2020. Dois mil e 20! Continuar lendo

1001 grandes álbuns desse mundão (parte 33)

sarah jane absence 2019Boa parte – aliás, a maior parte do material que configura a minha lista dos 1001 grandes álbuns desse mundão – vem de décadas deveras anteriores ao momento musical atual. Só que agora, ora pois, pra variar, resolvi, embora a representatividade da parte 33 mantenha o panorama médio do projeto, ora pois, pra variar, quero exaltar um exemplo atual, que acabou de sair do forno. Continuar lendo

1001 grandes álbuns desse mundão (parte 32)

led zeppelin IVNum segmento que privilegia os anos 1970 e manifestações mais recentes da música brasileira dos idos de 2010, eis a parte 32 dos 1001 grandes álbuns desse mundão. Continuar lendo

1001 grandes álbuns desse mundão (parte 31)

the life aquatic studio sessions seu jorge 2005Uma das partes mais internacionais de toda a lista. Calhou desta ter apenas um representante nacional – e que baita representante: o álbum em que Seu Jorge toca músicas do Bowie, num violãozinho de cordas de nylon muito bacana de se escutar. Continuar lendo

1001 grandes álbuns desse mundão (parte 30)

murderer's home alan lomaxSeiscentos! A lista alcança agora sua sexta centena. Como diria o filósofo Cerginho da Pereira Nunes: DOIDERA!

Mantive o panorama normal das coisas, misturando décadas e estilos, trazendo desta feita um registro historicamente bem relevante: Murderer’s Home. Trata-se de uma compilação de gravações feitas pelo etnomusicólogo Alan Lomax, na primeira metade do século XX. Continuar lendo

1001 grandes álbuns desse mundão (parte 28)

there's nothing left to lose foo fighters 1999Outono é sempre igual, as folhas caem no quintal… E uma parte nova da lista mil-e-úmica chega no início de seu mês final (final da estação, no caso, já que ainda há belo chão a percorrer na lista) o/ Continuar lendo

1001 grandes álbuns desse mundão (parte 27)

mccartney II 1980Seguem os trabalhos, firmes e fortes. Com uma coisa de jazz aqui, outro folk/country ali, pop acolá, a parte 27 dos 1001 grandes álbuns desse mundão baseia-se bastante nas vertentes bacanudas do bom e velho rock, além de seu complemento – o igualmente bom e velho roll. Continuar lendo

1001 grandes álbuns desse mundão (parte 15)

joy division unknown pleasuresGosto de reservar a primeira quinta do mês pra postar as novas entranças da listona. Atrasei um pouquinho desta vez. Não ligue. Não foi por mal. Havia apenas outros textos a escrever. Em junho eu volto ao prumo. Quer dizer, vou tentar. Nunca se sabe.

Muito bem. Falemos de música. Agora que me aproximo de 1/3 da tarefa completada, optei por um critério especial. Juntei na parte 15 discos os quais, num passado não tão remoto assim, fiquei horas dias semanas meses escutando. Sem parar mesmo.

A inspiração veio do exemplar da capa. Joy Division nunca foi a minha. Até que, sei lá, o santo bateu e ando ouvindo os caras direto. Sobretudo o Unknown Pleasures, pérola tão influenciadora às bandas de ontem. Hoje. E amanhã. Continuar lendo