Contos e afins => Mais pesado que o céu

Estou triste:
terminei de ler a sua história.
Tudo bem, eu já sabia como ela termina. Mas saber não alivia.
Foi como, sei lá, se a cada página eu pensasse: agora vai. Como se o vórtex tivesse sido aberto e a história pudesse ser reescrita.
Não podia.
Por isso a tristeza. Continuar lendo

Contos e afins => Colcha de retalhos existenciais

As coisas mudam.
Passou de mim, como até mim veio, esse episódio na sombra:
você sentada na cadeira de palhinha.
“Posso ouvir o vento passar,
posso falar da tarde que cai,
posso até ficar triste se eu quiser”.
Lá estão as palavras, voando embaralhadas.
“Mas não posso deixar tudo como está”.
(Não havia nada de divertido nela). Continuar lendo