Contos e afins => Colcha de retalhos existenciais

As coisas mudam.
Passou de mim, como até mim veio, esse episódio na sombra:
você sentada na cadeira de palhinha.
“Posso ouvir o vento passar,
posso falar da tarde que cai,
posso até ficar triste se eu quiser”.
Lá estão as palavras, voando embaralhadas.
“Mas não posso deixar tudo como está”.
(Não havia nada de divertido nela). Continuar lendo

Contos e afins => México Zinho

Eu não entendo. O sol diz outubro. O calendário diz outubro. Até a rede esfarelada das barbas-de-velho-meio-cinza-meio-mareladas-de-tanto-tédio lá no quintal diz outubro. Meus dentes careados, refestelados de tártaro, amarguinho na descida, chocolate mal dormido, dizem outubro. E cadê outubro, cacete? Primavera, porra! Continuar lendo