Libertadores, 1997 => Quase eliminado na fase de grupos, Cruzeiro avança com emoção no mata-mata e conquista o título

cruzeiro libertadores 1997

(Foto: globoesporte.com)

A principal competição boleira das Américas é arisca. Há nela uma mística tão poderosa que mesmo camisas pesadíssimas sentem o baque.

O Cruzeiro sabe disso. Na Libertadores de 1997, o time viu a cara da morte mais viva que Cazuza, em plena primeira fase. Mas se reergueu de forma inconteste: levantando o caneco. Continuar lendo

A falsa morte de Friedenreich na Revolução Constitucionalista de 1932

friedenreich“Jogador de futebol morre duas vezes”, apregoa o dito popular.

Primeiro, quando pendura as chuteiras.

Depois, ao bater com as dez.

Diferenciado que só, Arthur Friedenreich descumpriu a velha máxima, tratando de “falecer” uma vezinha mais. Continuar lendo

Antes da glória, Telê Santana teve passagem tumultuada pelo São Paulo em 1973

telê santanaTelê Santana viveu seu auge como treinador no São Paulo dos anos 1990, empilhando taças e virando sinônimo de futebol-arte mundo afora.

Até que isso acontecesse, contudo, o eterno Fio de Esperança precisou pagar alguns pecadinhos. Taxado de azarado por muuuito tempo, o rapaz atravessou momentos conturbados na carreira – como a primeira passagem pelo Tricolor paulista, duas décadas antes. Continuar lendo

Zagueiro => a homenagem de Jorge Ben Jor aos defensores do futebol

jorge ben jorDifícil pensar em alguém que descreva melhor o futebol na música do que Jorge Ben Jor. No setor ofensivo do samba rock do rapaz, jogam craques como o ponta de lança africano Umbabarauma, o goleador Fio Maravilha e, claro, o inapelável Camisa 10 da Gávea.

A lista de Jorge não para por aí – o esporte bretão protagoniza outros clássicos seus, tais Cadê o Penalty Flamengo. Mas o melhor de todos (na modesta opinião deste que vos escreve) curiosamente fala do outro lado do jogo. O lado que não faz gol.

A defesa. Continuar lendo

Juventude x Botafogo, Copa do Brasil de 1999 => A final mais legal da história da competição

juventude x botafogo, primeira final da copa do brasil de 1999Juventude e Botafogo foram os finalistas da Copa do Brasil de 1999.

Pra chegar lá, derrotaram camisas pesadas e provaram na marra que podiam representar o país na Copa Libertadores da América da temporada seguinte. Continuar lendo

Brasileirão de 1998: a campanha mais legal do passado recente do Coritiba

coritiba 1998Fui uma criança de sorte. Logo no primeiro ano frequentando estádios de futebol, 1998, vi meu time do coração chegar aos playoffs do Campeonato Brasileiro – o que, convenhamos, não era nada fácil se você torcia por um paranaense. Continuar lendo

Mito no São Paulo, Rogério Ceni quase trocou o Morumbi pelo Cruzeiro em 2001

rogério ceni 2001Exemplos como Rogério Ceni são raros no futebol. Dá pra contar nos dedos os atletas que passaram tanto tempo num único clube, ganhando tantos títulos.

Essa trajetória, porém, esteve perto de ser abreviada. Bem antes de comandar as conquistas da Taça Libertadores da América e do Mundial de Clubes de 2005, o M1TO quase trocou o São Paulo pelo Cruzeiro. Continuar lendo

Fã de Iron Maiden, goleiro Zetti conheceu membros da banda quando jogava no Santos

zetti ironA boleragem brasileira é famosa por colar num pagodinho maroto. Mas existem caboclos que fogem desta regra, encontrando no rock um porto sonoro seguro.

Zetti é um deles. Já nos tempos de jogador, curtia coisas como Led Zeppelin, Black Sabbath e Iron Maiden.

Quando trajava as luvas do Santos, em 1998, o goleiro teve a dourada oportunidade de conhecer alguns de seus ídolos, que na época calharam de passar pelo país. Continuar lendo

Luizão e Amoroso: a dupla de ataque que fez o Guarani sonhar com o bi no Brasileirão de 1994

guarani 94Enquanto o Brasil se acostumava com as notas de real, Campinas foi tomada pela esperança. Quer dizer, a metade alviverde dela.

Dois pratas-da-casa comandaram o setor ofensivo do Guarani, fazendo gols a rodo e protagonizando partidas memoráveis: Luizão e Amoroso. Com eles, o Bugre alcançou o 3º lugar no Campeonato Brasileiro de 1994, parando apenas no Palmeiras da Parmalat. Continuar lendo

Campeão brasileiro de 1985, Toby trocou o Coritiba pelo vice Bangu no ano seguinte

tobyQuando pensamos em Toby, os termos Coritiba Campeonato Brasileiro de 1985 logo surgem à mente. O ex-meia, afinal, foi fundamental na maior conquista da história do Coxa, obtida sobre o Bangu. Mas há outra página bastante curiosa na biografia boleira do rapaz.

Na temporada seguinte ao título, Dorival Mateus da Costa trocou o Alto da Glória justamente pelo clube de Moça Bonita, onde permaneceu até 1989. Continuar lendo