1001 grandes álbuns desse mundão (parte 14)

blood sugar sex magikPrivilegiando discos do início de suas respectivas décadas, preenchi a nova sequência dos 1001 grandes álbuns desse mundão \o/

Nesta parcial, o mote é a segurança. Busquei trabalhos que conheço – e gosto – há um bom tempo, principalmente os dos anos 1980 e 1990.

Exemplos:

Boy eu ouço desde criança (sem trocadilho).  Use Your IllusionKill ‘Em All Ten chegaram na puberdade/adolescência, cada qual num momento específico, enquanto Blood Sugar entrou na fase adulta e fincou lugar imutável nas esferas super-superiores das minhas preferências audiófilas. Culpa do auge de John Frusciante…

Pois bora encerrar o prólogo e conferir a parte 14 inteira?  Continuar lendo

Anúncios

1001 grandes álbuns desse mundão (parte 10)

thelonious monk brilliant cornersQuando o projeto é longo, nem mesmo virada de ano é obstáculo.

Chegamos hoje à parte 10 da saga com a certeza de que, se muitos trabalhos bons já entraram no panteão, ainda rola espaço de sobra pra várias novas pérolas.

Forrado de jazz e altas doses de rock anos 1960, principalmente, eis o último post dos 1001 grandes álbuns desse mundão em 2017: Continuar lendo

1001 grandes álbuns desse mundão (parte 1)

1001-pt-1

Tem Bebeto Zimmerman aí no meio, djow!

Era uma vez um guri chamado Guilherme, 17 anos, perambulando pela Fnac. Depois de tanto correr olhares na livraria, eis que ele descobre a primeira edição de 1001 discos para ouvir antes de morrer. Adorou. Continuar lendo

Slash, Myles Kennedy, violões e a melhor versão de Back From Cali

slash myles kennedy acousticEnquanto o Brasil lambia as feridas da derrota pra Holanda na Copa do Mundo de 2010, e Dilma Rousseff ainda era candidata à presidência da República, Slash percorria o globo divulgando seu álbum homônimo.

Num destes compromissos, o eterno guitarrista dos Guns n’ Roses sacou o violão e, ao lado do gogó de ouro Myles Kennedy, fez um especial intimista no dia 15 de agosto:

The MAX Sessions, na Austrália. Continuar lendo

Guns n’ Roses, 1987 => Rara entrevista mostra banda na era Appetite for Destruction

guns n roses 1987A formação clássica do Guns n’ Roses ficou conhecida nos anos 80 como a banda mais perigosa do mundo. Rótulo que diz muito sobre os hábitos digamos ~~não-ortodoxos~~ aos quais os músicos se submetiam.

Mas o que tanto Axl Rose, Duff McKagan, Izzy Stradlin, Slash e Steven Adler aprontavam? Se você é desses curiosos, deixo abaixo uma pista. Continuar lendo

As 10 melhores músicas desconhecidas do Guns n’ Roses

guns n rosesCriador de power ballads preciosas e hits ferozes, o Guns n’ Roses garantiu um terrenão bacana no Olimpo do áudio.

Fã confesso, aproveitei minhas milhas acumuladas de hard rock e montei a lista abaixo. São 10 canções memoráveis executadas pelos caras, que acabam passando batido perto das Sweet Child O’Mine Don’t Cry‘s da vida.

Confira: Continuar lendo

15 covers pra se ouvir de varde por aí

cover versionVivemos num mar de releituras. Pensando nisso, o It’s not only Rock foi atrás de 15 interpretações interessantes feitas por artistas mundão afora, as quais muitas vezes até demoramos a saber da existência. Continuar lendo

Nirvana toca o terror no Video Music Awards de 1992

vma 92Ao longo de sua era dourada, a MTV registrou muitos, muitos momentos que ficaram impressos na história da cultura pop.

Tipo a apresentação do Nirvana no Video Music Awards de 1992.

Aprontando coisas difíceis de irem ao ar atualmente, o grupo só faltou fazer chover por lá. Continuar lendo

It’s Five O’Clock Somewhere: o álbum do Guns n’ Roses que virou estreia solo de Slash

Slash's SnakepitEra uma vez um guitarrista afeito ao uso de Gibson Les Paul’s e cartolas, responsável pelos riffs duma das maiores bandas de rock norte-americanas da virada dos anos 80 pros 90. Após um álbum de estreia fulminante, seu grupo continuou vendendo bem, a ponto de lançar um disco duplo e vender as metades separadamente. A megalomania, todavia, cobrou o preço: dois anos e meio de turnê. Mesmo assim, o rapaz encontrou fôlego, construiu um home studio sobre a garagem de casa, em Los Angeles, e começou a trabalhar nas demos que dariam vida a It’s Five O’ Clock Somewhere. Continuar lendo